11 3159 1970 / rua gen. jardim 482 c132

memorial

A intenção principal do projeto foi criar uma praça no térreo, conformado pela extensão do passeio público e preservando a vista para a paisagem existente: em um primeiro plano, composta por casas de até dois andares, e, ao fundo, prédios altos marcando a ocupação característica do bairro de Pinheiros. Tirando o proveito da topografia original do terreno, essa praça-belvedere reafirma a vocação do bairro da Vila Madalena como “possuidora/provedora” de diversas situações de promenade, capazes de surpreender os pedestres que por ali circulam.

 

O programa que nos foi exigido pelo cliente contemplava dois programas completamente distintos: um espaço destinado à moradia e outro ao trabalho. Como não havia uma predefinição desses espaços, tivemos a oportunidade de nos apropriar do terreno em sua capacidade máxima permitida pela legislação. Portanto, o edifício desenvolve-se em dois volumes independentes para baixo e para cima da praça, cada qual com funções totalmente distintas, e mantendo a cota da rua desimpedida, livre de quaisquer obstáculos.

 

O terreno originalmente apresentava uma declividade acentuada e, a fim de permitir a integração de seu térreo com o passeio público, foi proposto um embasamento construído que reconfigura a topografia. Por estar abaixo do nível da rua, pode se ocupar o máximo da largura (perímetro) do lote, respeitando os recuos necessários. Esse embasamento organiza-se em dois espaços em um mesmo nível, interligados por pátios que acompanham o desnível do terreno.

 

A circulação vertical está estrategicamente instalada em uma das laterais da edificação. Um elemento capaz de transitar entre duas situações opostas sem obstruir o vazio externo ou os espaços construídos internamente. Suspenso por pilotis, o segundo volume é composto por dois pavimentos com plantas livres – característica comum em todo o projeto – provendo flexibilidade na apropriação pelos espaços aos usuários.

 

A construção teve o orçamento disponível como premissa principal. Para tanto, seguiu-se o método construtivo de uma obra recente do escritório no mesmo bairro: o Bar Mundial foi construído em estrutura

metálica e painéis de concreto pré-fabricados, o que acelerou o tempo de execução da obra. Esse sistema de pré-fabricação com elementos de concreto foi desenvolvido pelo escritório com o intuito de subverter o uso de um material largamente empregado no Brasil. Frequentemente utilizados para a concretagem de lajes maciças, os painéis são aqui utilizados na vedação do edifício, em duplas que dão forma a paredes ocas executadas em tiras de 25 cm de largura com altura variável.

O embasamento foi feito em estrutura convencional de concreto tornando-se um muro pré-condicionado a desempenhar a função de consolidação do terreno. Foram intercalados painéis de concreto maciço e painéis

ocos, prevalecendo a primeira opção em situações de contato com o solo e nas lajes que conformam a praça de acesso.

O volume suspenso é estruturado em vigas e pilares metálicos, que conferem leveza em sua execução. O sistema de painéis ocos é utilizado não somente nas vedações, mas também desempenham a função de laje em virtude de sua enorme capacidade de resistência mecânica - a laje foi pensada como uma sequencia de vigas treliças com banzos (superior e inferior) em concreto e em ferro na sua armação interna. A construção desse volume suspenso foi feita, portanto, com a maior rapidez, já que não havia a necessidade de concretar o miolo da laje. Este aspecto reduz a carga na estrutura metálica e o custo final da obra.

 

A princípio um limitante para este projeto, a condição orçamentária acabou nos motivando a investigações de novas alternativas construtivas. Seu êxito consiste na execução de um espaço que não exigiu grande investimento e sem desperdício de materiais